Arquivo da tag: redes sociais

Dia Internacional contra a Corrupção: fiscalize políticos com ajuda da web

Na data em que se celebra o Dia Internacional contra a Corrupção*, vale destacar duas recém-criadas ferramentas da web que podem ajudar os brasileiros a exercerem a cidadania e fiscalizarem as ações dos políticos.

A nova rede social pretende fiscalizar gastos públicos/ Reprodução

Da sua Conta (http://www.dasuaconta.com.br/): é uma rede social construída através da plataforma Ning para acompanhar despesas públicas. A página possui blogs, fórum de discussão, grupos, vídeos e canal de denúncias. Apesar de recente (foi criada em setembro deste ano e lançada oficialmente ontem), a rede já tem mais de 550 membros. A iniciativa é de responsabilidade do Tribunal de Contas do Município do Ceará (TCM-CE) e da Fundação Demócrito Rocha.

O legal é que a rede também tem a preocupação de ser bastante didática: na sessão “Glossário“, por exemplo, pode-se encontrar uma explicação de termos frequentemente usados no noticiário de políticia, mas que nem sempre são compreendidos pela população. Para participar de “Da sua Conta”, basta criar um cadastro no Ning, o que pode ser feito clicando, na página principal, em “Registre-se“.

Portal oportuniza ao cidadão conhecer e opinar sobre Projetos de Lei/ Reprodução

Vote na Web (http://www.votenaweb.com.br/): como já falamos em outro post, este portal permite que qualquer pessoa dê seu voto para projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional e veja como votaram os políticos. O voto do internauta, claro, não conta oficialmente para a aprovação ou reprovação de uma lei em Brasília, mas é uma forma de ficar por dentro do que os parlamentares vêm discutindo, comparar o seu voto pessoal com dos seus representantes eleitos e, assim, descobrir (ou não) afinidades políticas.

A responsável pela administração do site é a empresa WebCitizen, que lançou o projeto durante o evento TEDx São Paulo, em novembro deste ano. Para participar, é preciso fazer criar um perfil na página do projeto.

___________________

* A data é uma referência à assinatura da Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, realizada em 09 de dezembro de 2003, na cidade mexicana de Mérida.

Mídias sociais, a nova cara do público e o teatro de Sófocles

As redes sociais têm chamado a atenção e conquistado cada vez mais usuários pela enorme possibilidade de conectar pessoas. No entanto, há também uma preocupação. Como produzir conteúdo para cada uma dessas novas mídias? Durante o 22° SET Universitário (evento de comunicação organizado pela Famecos, como já comentamos aqui), o gerente de arquitetura de informação do portal Globo.com, Leandro Gejfinbein, discutiu o assunto em palestra no auditório da Faculdade de Comunicação Social (Famecos).

Guiado pelo tema principal do evento – Qual é a cara do público? –, Gejfinbein destacou o crescimento das redes sociais no mundo. Segundo pesquisa da empresa IBM publicada no site do jornal O Globo, serão mais de 800 milhões de usuários até 2012. Um número expressivo de pessoas que, segundo o palestrante, representam o público das novas plataformas de comunicação.

Cada mídia possui uma linguagem e uma estratégia de comunicação específicas. Para Gejfinbein, a questão não é somente transportar conteúdos das mídias tradicionais para a web, mas sim “como a internet poderia ajudar” na relação entre público e empresa. Ele citou como exemplo o seriado norte-americano Heroes (em português, heróis), que se baseia na ideia de transmedia storytelling (narrativa transmídia, em tradução livre). O conceito é desenvolvido por Henry Jenkins no livro Cultura da Convergência e implica não só o cruzamento de mídias, mas também uma mesma história difundida em vários meios, cada uma com sua própria linguagem e independente das outras, mas ainda assim formando um conjunto. No caso do seriado, a produção de quadrinhos com download gratuito pela internet, com enredos que complementam a narrativa da televisão, foi citada por Gejfinbein como um bom exemplo da prática de transmedia.

Com o crescente uso da internet e das redes sociais na comunicação, a tendência é de que o público se misture com os produtores de conteúdo. No site de microblog Twitter, por exemplo, muitos usuários tornam-se fontes devido à rapidez com que se consegue transmitir a informação. “A convergência já existe”, afirmou Gejfinbein. Para ele, as pessoas são capazes de captar um fragmento desses dados e discutir, criticar, queiram as companhias ou não. “O que as empresas têm que fazer é se aproveitar disso, criar ferramentas para o público interferir no conteúdo.” O palestrante ressaltou que o processo de introdução de novas tecnologias é atual: “A cara do novo público é a nossa. A gente só precisa prestar atenção.”

Para ilustrar a aproximação entre público e comunicadores, Gejfinbein propôs uma analogia entre o teatro de Sófocles, dramaturgo grego do século V a.C., e o tipo de interação que seria desenvolvido até 2027. Assim como no teatro, as mídias sociais não fariam distinção entre palco e espectadores, o que possibilitaria uma troca de informações e impressões mais dinâmica e participativa. “Vai voltar a ser como era há 2500 anos, com o mesmo tipo de relações”, prevê.

*

Ficou curioso? A equipe do Admirável Mundo Virtual contatou Gejfinbein por e-mail, e ele gentilmente disponibilizou a apresentação. Para facilitar, colocamos no SlideShare do blog. Confira abaixo:

Resultados do SET Universitário

Comecemos pela má notícia: não vencemos o prêmio do 22° SET Universitário na categoria Jornalismo Online – Weblog. O blog Enfoque Vila Brás, mantido por alunos da Unisinos, foi o ganhador – merecidamente, diga-se de passagem. Não conhecíamos o trabalho deles até então, mas ficamos contentes em ver o exemplo de uma ação bem desenvolvida que envolve universidade e comunidade. No blog, os estudantes exercitam atividade de redação experimental e, ao mesmo tempo, produzem conteúdo para os moradores de uma área carente da cidade de São Leopoldo. Nossos parabéns!

Confira a lista completa do vencedores da mostra competitiva

Além da mostra competitiva, o SET também promoveu, entre os dias 28 e 30 de setembro, diversas palestras e oficinas. Entre profissionais de Jornalismo, Relações Públicas, Cinema ou Publicidade e Propaganda, pôde-se perceber que o tema que permeou boa parte da programação foi internet e desdobramentos – neste caso, principalmente as redes sociais. Leandro Gejfinbein, gerente de Arquitetura de Informação da Globo.com, atentou para os dados de uma pesquisa da IBM, que prevê 800 milhões de usuários de redes sociais no mundo até 2012.

Os efeitos da internet, e principalmente a importância da web 2.0, também foram questões discutidas durante o evento. Bruno Alves, sócio-diretor da Dialeto Social Media, falou sobre a influência que os grupos formados no ambiente virtual exercem sobre um produto ou uma situação real. Já Lenara Verle apostou na relação da arte com esses “dois mundos”. A oficina Cidade codificada – Arte locativa e intervenção urbana propôs uma minigincana entre os participantes, que andaram pelo campus da PUCRS e pelas ruas da Cidade Baixa, em Porto Alegre, atrás de códigos do tipo QR code e de suas conexões com a paisagem da cidade. O resultado, os mapas e os bastidores da brincadeira podem ser conferidos no blog da oficina.

Para saber como foram outras atividades do 22º Set, acesse a página de notícias do site oficial.

E se as redes sociais invadissem as ruas?

O que aconteceria se você saísse por aí batendo de porta em porta para adicionar amigos? Ou se começasse a gritar seus tweets em praça pública?

Dois vídeos de humor para refletir sobre atitudes comuns nas redes sociais que fariam qualquer um parecer louco no “mundo real” (em inglês):

Facebook in reality – produção do grupo Idiots of Ants, exibida no programa The Wall da BBC.

Twitter in Real Life – estrelado pelo ator Dan Gurewitch, do grupo College Humor.

Nova rede social para conectar inventores

Projetos criativos e curiosos de várias partes do mundo em busca de colaboração /Reprodução

Projetos criativos e curiosos de várias partes do mundo em busca de colaboração/ Reprodução

Está no ar o Original Projects, possivelmente a novidade mais interessante dos últimos tempos em termos de comunidades virtuais que produzem resultados no “mundo real”. A nova rede social pretende conectar pessoas através de projetos e ideias criativas, formando equipes com um objetivo em comum.

Por enquanto, o site ainda está em fase de testes, aberto só para convidados. Contudo, já é possível conferir projetos engenhosos, como o da Fazenda Vertical, e preocupados com a preservação do meio ambiente, como a ideia dos minitáxis ecológicos. Na linha dos projetos estranhos, estão o Relógio para contar quantos drinks você já bebeu e o Relógio de Lego.

O único projeto brasileiro que está na rede social é o de Thais Ueda. O Crochet Jardin visa a expandir as vendas dos vasos de plantas de crochê pelo Brasil e pela América do Sul. Falando em América do Sul, o projeto Bike Journey planeja uma viagem de bicicleta motorizada desde Arizona, nos Estados Unidos, até Santiago, capital do Chile, somando 28 mil quilômetros. A aventura, que deve durar cerca de um ano, começa no próximo mês. O objetivo é mostrar que outros meios de transporte são viáveis.

Reprodução

Projetos para fazer o bem também ganham espaço/ Reprodução

Há também ideias voltadas para a solidariedade, como o aplicativo que confere o estoque de bancos de sangue e incentiva a doação, e o projeto que pretende pôr em circulação cartões postais com frases de ajuda mútua (lembra bastante a função da comunidade do Orkut Conte Comigo, que já mostramos aqui).

Original Projects é uma inovação em termos de redes sociais. Em vez de enumerar amigos, o site oferece a oportunidade de engajar-se em diferentes projetos de vários lugares do mundo. Se vingar, será muito provavelmente a maior fábrica de resultados reais construídos a partir de pessoas conectadas via web – não por acaso o tema central deste blog. Ficaremos de olho!

Veja a lista completa de projetos.

Quem ficou interessado em participar pode, por enquanto, cadastrar o seu e-mail para receber um aviso quando a rede for aberta ao público, fazer contato diretamente com os criadores (há um ícone na página de cada projeto) ou falar com a organização para tentar expor sua invenção desde já.