Arquivo da tag: smart mobs

Ciberativismo no topo dos assuntos discutidos no Twitter em 2009

Duas listas divulgadas nos últimos dias mostram no ranking dos assuntos mais discutidos no Twitter em 2009 celebridades, entretenimento, tecnologia e… ciberativismo. Na lista do site What The Trend, as eleições no Irã (episódio em que a ferramenta foi usada como forma de protesto e mobilização) estão em primeiro lugar. Já no Top Twitter Trends of 2009 publicado no blog oficial do serviço, os conflitos no Irã estão na primeira posição dos assuntos relacionados a notícias (nessa lista não há uma classificação geral, só por categorias, como se pode ver na imagem), e #iranelection está entre as hashtags mais usadas.

A gripe suína (swine flu, em inglês) e os conflitos na Faixa de Gaza também aparecem nas listas. O interessante dessas classificações é poder observar que assuntos importantes e decisivos no cenário internacional têm sido amplamente discutidos no Twitter e que essas discussões são capazes de produzir seus efeitos no mundo físico (ou será que os protestos no Irã teriam ido tão longe sem a mobilização via web?)

Em ambas as listas, também se destacam alguns nomes que não são novidade, como o do popstar Michael Jackson, que faleceu este ano, e a cantora Susan Boyle (finalista do concurso Britain’s got talent).

A Twitter Zeitgeist organizada pelo site What The Trend você confere aqui.

Para ver a lista completa do Top Twitter Trends of 2009, confira o quadro abaixo ou acesse o blog oficial do Twitter.

Lista dos tópicos mais discutidos no Twitter em 2009/ Divulgação

Posts relacionados: Twitter e eleições no Irã – artigo

Persépolis contra Ahmadinejad

Anúncios

Dia Internacional contra a Corrupção: fiscalize políticos com ajuda da web

Na data em que se celebra o Dia Internacional contra a Corrupção*, vale destacar duas recém-criadas ferramentas da web que podem ajudar os brasileiros a exercerem a cidadania e fiscalizarem as ações dos políticos.

A nova rede social pretende fiscalizar gastos públicos/ Reprodução

Da sua Conta (http://www.dasuaconta.com.br/): é uma rede social construída através da plataforma Ning para acompanhar despesas públicas. A página possui blogs, fórum de discussão, grupos, vídeos e canal de denúncias. Apesar de recente (foi criada em setembro deste ano e lançada oficialmente ontem), a rede já tem mais de 550 membros. A iniciativa é de responsabilidade do Tribunal de Contas do Município do Ceará (TCM-CE) e da Fundação Demócrito Rocha.

O legal é que a rede também tem a preocupação de ser bastante didática: na sessão “Glossário“, por exemplo, pode-se encontrar uma explicação de termos frequentemente usados no noticiário de políticia, mas que nem sempre são compreendidos pela população. Para participar de “Da sua Conta”, basta criar um cadastro no Ning, o que pode ser feito clicando, na página principal, em “Registre-se“.

Portal oportuniza ao cidadão conhecer e opinar sobre Projetos de Lei/ Reprodução

Vote na Web (http://www.votenaweb.com.br/): como já falamos em outro post, este portal permite que qualquer pessoa dê seu voto para projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional e veja como votaram os políticos. O voto do internauta, claro, não conta oficialmente para a aprovação ou reprovação de uma lei em Brasília, mas é uma forma de ficar por dentro do que os parlamentares vêm discutindo, comparar o seu voto pessoal com dos seus representantes eleitos e, assim, descobrir (ou não) afinidades políticas.

A responsável pela administração do site é a empresa WebCitizen, que lançou o projeto durante o evento TEDx São Paulo, em novembro deste ano. Para participar, é preciso fazer criar um perfil na página do projeto.

___________________

* A data é uma referência à assinatura da Convenção das Nações Unidas contra a Corrupção, realizada em 09 de dezembro de 2003, na cidade mexicana de Mérida.

Tubo de papelão e aquecimento global: quinzena de flash mobs no Brasil

Uma “guerra” de tubo de papelão no centro de São Paulo e um minuto de pessoas apontando para o mar em protesto ao aquecimento global: duas flash mobs bastante criativas estão na agenda brasileira desta primeira quinzena de dezembro. As ações são organizadas através da internet. Confira os detalhes da programação e saiba como participar:

Aquecimento global: dedos apontados para o mar: a ideia da flash mob é que a velha tendência de as pessoas olharem em direção ao lugar para o qual alguém está apontando faça todos encararem o horizonte por um minuto. A ação pode ser posta em prática em qualquer praia ou calçadão à beira-mar, ao meio-dia do próximo sábado, 5 de dezembro. Como o ato não deixa explícito o motivo da mobilização, os organizadores pedem que os participantes tirem fotos do momento e as enviem para ciclicca@yahoo.com.br, para ajudar na divulgação posterior da campanha. Outras informações em http://ciclicca.blogspot.com/

War Tube: uma “guerra” de tubo de papelão entre dois exércitos fictícios (Filhos de Musashi x Armada Arturiana) vai tomar conta do Elevado Presidente Costa e Silva (Minhocão), em São Paulo, a partir das 16h do dia 13 de dezembro, domingo. Apesar de intitulado “guerra”, o evento, segundo a organização, é de caráter pacífico. As regras descritas no Manual do Participante proíbem, por exemplo, a utilização de materiais duros ou que possam machucar. O objetivo é apenas a diversão. Ao final da flash mob, às 18h, os guerreiros deverão recolher seus tubos e armaduras de papelão, que serão encaminhados para a reciclagem. Para participar, é preciso fazer inscrição em um dos exércitos através do site http://www.wartube.com.br/.

[via mobrasilnews.com]

Dez anos de ativismo digital

O caderno Link, do Estadão, preparou uma matéria especial em função do aniversário de uma década do episódio dos protestos em Seattle (Estados Unidos) contra a reunião ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC), comemorado ontem, dia 30 de novembro. O movimento é considerado pioneiro no uso de ferramentas da web para fins de mobilização: uma espécie de semente dos recentes protestos via Twitter nas eleições no Irã e dos relatos de abuso feitos por blogueiros de países em regime ditatorial em todo mundo.

Leitura mais do que recomendada. Abaixo, reproduzimos um trechinho:

“Existiu uma época – sem YouTube, Flickr, Wikipédia, blogs ou qualquer ferramenta de autopublicação – em que colocar seu relato na internet era muito mais um ato de protesto do que qualquer outra coisa. Uma época em que se buscava uma nova forma de comunicação, mais livre de intermediários. […] Ao menos 40 mil pessoas, entre elas ativistas, membros de ONGs, sindicalistas, ambientalistas e anarquistas, reunidos sob uma organização descentralizada chamada de Direct Action Network (DAN), tomaram as ruas do centro de Seattle e furaram o bloqueio em torno do local onde a reunião acontecia. A manifestação ficou conhecida como N30 ou a Batalha de Seattle.”

Clique aqui para ler na íntegra

Leia também a análise do professor Sílvio Mieli, da PUC-SP, sobre o episódio de Seattle e o ativismo digital praticado hoje

Portal “Vote na Web” aproxima cidadãos de discussões políticas

Portal oportuniza ao cidadão conhecer e opinar sobre Projetos de Lei/Reprodução

Como você agiria se pudesse votar nos projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional? O recém-lançado portal Vote na Web permite que qualquer internauta dê a sua opinião sobre as propostas que estão na agenda de deputados e senadores.

Para participar, é preciso fazer um cadastro e criar o seu perfil. A partir daí, é só se informar bem sobre os projetos de lei e atribuir “sim” ou “não” às medidas. O sistema também faz o registro da votação oficial realizada pelos parlamentares. A ideia é que, a partir da comparação de suas preferências com a dos políticos, o cidadão consiga perceber mais claramente afinidades (ou divergências) com os seus representantes.

Vale destacar que os votos dos internautas não têm poder de determinar o resultado oficial das decisões do Congresso, são apenas índices de opinião – no máximo, podem se tornar uma espécie de termômetro para que os políticos avaliem como anda a popularidade das propostas. Da mesma forma, a criação do projeto é totalmente independente dos órgãos iniciais. A responsável pelo site é a WebCitizen, empresa privada que visa a aproximar cidadãos a partir da criação de uma ponte entre o mundo físico e o virtual.

Apesar de a proposta ser bacana, ela ainda é pouco conhecida – também porque o projeto é recente. O lançamento do site aconteceu no dia 14 de novembro, durante o TEDx São Paulo, evento que discutiu as novas ideias que o Brasil tem a oferecer em diversas áreas, como arte e tecnologia.

No entanto, a falta de uma página dedicada a explicar a finalidade do portal Vote na Web contribui para que os cidadãos – público-alvo da iniciativa – não tenham subsídios suficientes para compreender a ideia no todo. Até agora, o internauta só pode acessar as páginas dos Projetos de Lei, dos políticos, do arquivo de propostas votadas e do próprio perfil. A ausência de um texto explicativo acaba deixando dúvidas quanto ao funcionamento e o alcance da ação.

Campanha de doação de sangue pelo Twitter

bolsa

Ativismo virtual incentiva a doação de sangue - Foto: cesarastudillo - Flickr

A ferramenta de microblogging Twitter é a mais nova aliada dos bancos de sangue brasileiros para incentivar doações. Através de tweets e retweets espalhados na rede, a estratégia, além de ser um canal de comunicação com voluntários habituais, pretende mobilizar internautas que nunca doaram.

Confira alguns perfis:
@sangueurgente
@doesangue
@HEMORIO – hemocentro do estado do Rio de Janeiro
@AVHemorio – associação dos voluntários do HEMORIO
@ProSangue – instituição paulista
@sanguebomctba – doadores de Curitiba e região
@hemocentronpp – hemocentro de Ribeirão Preto
@hemosc – hemocentro de Santa Catarina
@hemocentrosl – Hemocentro São Lucas (São Paulo)

Os animais de estimação também não ficam de fora da tendência: há também o perfil @HEMOPET – ainda com pouca atividade – criado por um hemocentro especializado em cães e gatos.

Remake de Star Wars feito por fãs

Agora os fãs de Star Wars podem brincar de ser George Lucas e dirigir sua própria versão do quarto filme da saga, Star Wars: Uma Nova Esperança. O projeto Star Wars Uncut permite que internautas selecionem até três trechos de 15 segundos cada e os regravem da forma que acharem melhor (há apenas algumas poucas regras que podem ser vistas no item “rules” da página).

Quem chegar primeiro marca a cena como sua e depois posta o resultado no site até 30 dias depois (o sistema lembra bastante o que foi usado para a leitura coletiva de Dom Casmurro no projeto online Mil Casmurros). Quando tudo estiver pronto, as peças serão encaixadas para compor este remake anárquico.

Pelo trailer que circula na rede (vídeo abaixo), já dá para perceber que o ponto alto da versão é a mistura de diversas linguagens:

Até o momento, 70% do filme está pronto. Então, corre lá para conseguir as cenas que ainda estão sem “dono”!

Post relacionado: A palavra é dos fãs

Dica do Felipe Dalla Valle.